Preparando Guitarras e Equipamentos

Neste artigo vamos tratar da preparação dos instrumentos, efeitos e amplificadores que serão usados na gravação. Quanto melhor você se preparar melhor fluirá o trabalho. No próximo artigo trataremos sobre microfonação de violões e amps de guitarra.

REGULAGEM DOS INSTRUMENTOS

Um instrumento bem regulado é fundamental para um bom resultado na gravação. Instrumentos mal regulados não vão afinar direito, vão trastejar, não terão as cordas nem os captadores com o volume equilibrado, ou seja, nada funcionará direito, e você com certeza “pagará mico” e nunca mais será chamado para trabalhar com aquele produtor. Não acho aconselhável que o próprio músico faça a regulagem dos seus instrumentos, a não ser que tenha muita experiência nessa área. Uma visão de fora é bem útil, alguém que você confie e respeite como profissional poderá lhe dar sugestões sobre a melhor corda, a melhor ação (baixa ou alta), troca de captadores, etc. O instrumento deve estar bem limpo, com trastes brilhando! Tudo funcionará melhor e você causará uma boa impressão.

CORDAS

Como guitarrista eu sei que temos a tendência de usar sempre as mesmas cordas, mesma marca, medida e tipo de material. Na gravação a variedade de timbres é uma arma poderosa, tente conhecer alguns modelos de cordas, principalmente para violão de aço (onde a diferença de som é mais nítida). Durante uma apresentação ao vivo essa variação de sonoridade dificilmente será notada. Variando o tipo de corda você poderá criar texturas interessantes, por exemplo, na hora de dobrar uma guitarra ou violão, experimente usar cordas completamente diferentes. Mas é claro que não se deve trocar a medida da corda (de 9 para 11 por exemplo) sem regular o instrumento, fazendo isso você pode danificar o braço do seu instrumento. A principio a corda tem que ser o mais nova possível, salvo casos onde o extra brilho de uma corda nova não seja o som procurado. Mas mesmo usadas elas devem estar em bom estado e ainda com boa afinação. Troque as cordas na véspera da gravação no caso das guitarras, uns dois dias antes no caso no violão de aço e com um pouco mais de antecedência no caso do violão de nylon. Os bordões do violão de nylon podem “apitar” demais quando forem microfonados, principalmente quando se usar um microfone de cápsula pequena no braço. Nós discutiremos sobre microfonações e suas aplicações em outro artigo.

CABOS E CONECTORES

Confira se todos os cabos são de boa qualidade e estão em bom estado, confira se os jacks estão firmes e sem ruídos. Use jacks de qualidade nos seus instrumentos (Switchcraft é uma boa marca). Encare cabos como um mal necessário, quando mais medíocres eles forem pior será o seu som. Na hora de ligar seu pedais, se possível, ligue somente os que forem ser usados naquela parte que está sendo gravada. Quanto menos cabos menos ruído e menos perda de sinal. Use cabos curtos, de no máximo 2 metros isso também ajuda a manter a integridade do sinal.

FONTES X BATERIA

Fontes de baixa qualidade são responsáveis por acréscimo de ruído e mau funcionamento dos equipamentos, principalmente pedais de efeitos, que já não são silenciosos por natureza. Use somente fontes originais e importadas… Não conheço nenhuma vendida no Brasil que preste, a não ser as fabricadas a mão como por exemplo as feitas pelo Marcelo Coelho da Guitar Tech (www.guitartech.com.br). Ele desenha a fonte baseada no equipamento que você possui, então a relação sinal ruído é excelente. Lembre-se também que pedais de guitarra usam fontes balanceadas!!! Eu sou um grande fã de baterias, pode parecer loucura mas alguns preciosistas acham que alguns pedais mais antigos soam melhor com bateria do que com fonte, e vão mais longe ainda, algumas distorções têm o timbre melhorado se usamos baterias não alcalinas e funcionam melhor quando a bateria já está mais gasta!!! Essa “maluquice” não vale para pedais digitas, nesses eu prefiro usar fonte, até porque gastam mais energia que os analógicos. Pedais da boss, por exemplo, usam fontes 9v ACA ou PSA, é importante usar a indicada na parte inferior no pedal. Pedais antigos da boss usam ACA. Se você usa algum pedal realmente antigo ou raro tenha cuidado redobrado ao usar fontes, lembre-se que estamos no Brasil e nossa eletricidade não é muito confiável. Uma marca que sofre muito com isso é a Tech 21, que fabrica o SansAmp, esses pedais quando queimam não costumam ter conserto… Nesses eu só uso bateria, principalmente o Classic que vale um bom dinheiro e alguns amigos meus já perderam pedais caros como esse por causa de picos de energia. As instalações elétricas dos estúdios normalmente são de boa qualidade. Se o estúdio parecer confiável provavelmente você não terá problemas usando fonte.

AMPS X EMULADORES

Não há como negar que os emuladores de amplificadores são equipamentos que chegaram pra ficar, não tem mais volta. A muitos anos eles existem e a algum tempo começaram a ter uma qualidade de som bastante aceitável (SansAmp Tech 21, Pod Line 6…). Mas por enquanto pelo menos é importante identificar aonde esse tipo de equipamento funciona melhor. Quando as condições de acústica do estúdio onde você gravará sua guitarra não for das melhores pode seu mais interessante usar um emulador, uma acústica estranha pode arruinar o timbre de um amplificador. Caso este estúdio também não disponha de microfones em bom estado (57, 421) e não possua um pré amplificador de microfone de boa qualidade (Avalon, Neve, Focusrite…) pode ser a hora de usar um bom emulador. O mais difundido é o Pod da Line 6 que agora está na sua versão Pod XT. Nesse pequeno aparelho você conseguirá timbres bem interessantes. Nessa nova versão a sessão de efeitos foi ampliada colocando a sua disposição uma grande variedade de emulações de pedais famosos. Mas mantenha em mente que pelo menos por enquanto ele é apenas um substituto para quando o real não está disponível, principalmente por questões financeiras. Com esse tipo de equipamento a melhor maneira de fazer a ligação é plugando direto na mesa ou direta da interface do computador. Se puder passar por um bom pré de estúdio antes de ir para o computador também seria bom. Mas se a sua situação de gravação conta com uma boa acústica, bons microfones, bons prés e tempo para uma boa microfonação um bom amp valvulado fará melhor o serviço do que qualquer emulador atual. È importante nesse caso que seu amplificador esteja funcionando muito bem, todos os knobs ok, vávulas em bom estado e adequadas para a sua sonoridade (assunto para um artigo futuro). Outro aspecto importante é não buscar uma sonoridade que fuja das características do seu amp, não adianta tentar fazer um combo de 25w soar como uma parede de caixas de 200w, e não estou falando só de potência, falo de timbre também, um Fender nunca soará como um Marshall ou MesaBoogie, cada um tem sua personalidade. Antes de escolher um amp pense se ele terá a melhor sonoridade pra o seu tipo de música. Numa situação ideal onde você contará com outros amplificadores além dos seus a gravação pode ser bastante divertida, se o tempo não for um problema é claro!!! Imagine poder curtir cada amp e usá-lo para cada parte da música onde ele melhor se adapta. Um bom timbre Clean Fender para usar com Chorus ou wah, um Mesa para uma base drive bem encorpada e um Marshall para o solo bem aberto e barulhento!! Maravilha não é!?! Experimente também em stereo, com pequenas variações de timbre em cada um dos amps, isso causa um efeito envolvente muito interessante, principalmente em bases com Chorus e Delay.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima

Conheça nosso método de ensino assistindo um de nossos Cursos OnLine Gratuitos. Basta fazer sua inscrição em nossa Plataforma EAD.