Palhetas • As Diferenças Sonoras

Pode parecer um detalhe sem muita importância, mas eu considero a palheta como um poderoso instrumento, capaz de mudar completamente a característica de um som. Mas você só deve usar palhetas com as quais esteja familiarizado. Pode ser bem difícil tocar, por exemplo, com uma gota sem nunca ter pego em uma antes. 

Vamos dividir em algumas categorias básicas: Pesadas, Médias, Leves, Grossas, Finas, Gotas, Metal e Especiais.

PESADAS

São normalmente usadas para solos e bases pesadas com distorção, para solos escolha a que melhor se adapta a sua técnica, palhetas pesadas podem ser grossas ou não, compre alguns modelos e teste com calma, não é fácil mudar de palheta de uma hora pra outra, eu sou adepto de palhetas pesadas e grossas para solo, 2 ou 3 milímetros, acho o som encorpado e bem definido. Porém, em alguns solos, sinto que me dou melhor com palhetas um pouco mais maleáveis, como um .88 por exemplo. Sinto que a dinâmica do solo pode ficar mais rica com uma dessas.

MÉDIAS

São as palhetas mais adequadas para se usar num show onde você utiliza vários timbres diferentes e não dá pra ficar trocando de palheta. Nesse caso gosto de uma palheta bem tradicional (Fender, Martim, etc) 0.88 até 1.14.

LEVES



São ideais para levadas aonde você precisa de leveza no som, sem muita definição das cordas individualmente e sim o acorde como um todo. Gosto muito de usar no violão de aço para levadas tipo folk.

GOTAS


Não são palhetas muito fáceis de usar, escorregam pra caramba, mas tem um som maravilhoso. Gostos principalmente das médias e leves. Elas tendem a ter um som um pouco mais aberto que as com formato convencional. São ideais para dedilhados com chorus, e levadas com Wah-Wha. As leves funcionam bem quando você quer um som tipo de cama de teclado, passando a palheta bem de leve perto da ponte da guitarra, tirando um som bem agudo e tipo um synth. Tenha paciência no início elas podem ser bastante irritantes porque ficam caindo, mas com o tempo você se acostuma.

METAL


Acho que de todas, são as menos usadas, quase não se acha pra vender (sempre peço pro Mauricinho da Pro-Music pra ele trazer umas pra mim). Elas têm um uso bem específico: PORRADA!!!! Com nenhum outro tipo de palheta você conseguirá um som tão aberto e na pressão. Normalmente elas não são muito grossas e tiram um som “crisp” rasgado cheio de pontas de agudo e harmônicos. Se você estiver procurando um som mais velado essa não é a palheta indicada. Acho que elas funcionam particularmente bem com o pedais tipo o DISTORTION BOOSTER da VOX, ele já tem um som bem aberto e junto com a palheta de metal conseguimos um som capaz de aparecer com clareza mesmo quando a base já está bem densa e cheia de outras guitarras.

ESPECIAIS



São palhetas com formas especias para situações específicas. Palhetas de madeira, com pontas estranhas, feitas com cartilagem de tubarão, palhetas que tentam simular um 12 cordas, etc… São divertidas mas de pouco uso. 

O material com o qual a palheta é feito e decisivo na sua sonoridade, palhetas de nylon tem o som menos aberto que as de plástico comum, palhetas ásperas tem um som levemente mais crispy.


Acho que em resumo pode-se dizer que:

· quanto mais fina a palheta menos pressão (bem óbvio)
· quanto mais arredondada a ponta mais encorpado o som e com menos brilho (ideais para Jazz)
· quanto mais grossa mais encorpado o som
· com a ponta aguda (gota) o som fica mais aberto mas o atrito com as cordas é maior porque a palheta tende a entrar mais entre as cordas.


A idéia principal é: EXPERIMENTAÇÃO!!!! como não são caras, compre uma de cada tipo que encontrar, use em casa antes de levar pro estúdio, acostume-se com a pegada de cada uma, veja onde ficariam bem na música que vai gravar.

1 comentário em “Palhetas • As Diferenças Sonoras”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima

Conheça nosso método de ensino assistindo um de nossos Cursos OnLine Gratuitos. Basta fazer sua inscrição em nossa Plataforma EAD.